O DIVÃ DO DR. ASCÂNIO

Quando falamos de líderes, soberanos, chefes de governo que se destacaram de alguma forma, ficamos sabendo que por trás de cada um desses personagens havia alguém que o manipulava como se manipula uma marionete. A essa figura convencionou-se chamar de eminência parda.

Ao longo dos tempos tivemos conhecimento dessas eminências pardas, como por exemplo, Luís XIII que tinha o cardeal Richelieu, Rasputin que dava as coordenadas para o czar russo além de cuidar da czarina, Hitler tinha por trás Martin Bormann, Getúlio Vargas sua filha Alzira. Até mesmo o nefasto teve o seu pardacento, aquele que mudou de cara para não ser preso, mas foi preso mesmo assim. O chefe intimado a se manifestar disse: Sei lá quem é esse cara, nunca vi mais gordo! Tô fora! Mas também acabou dentro…

Influencers famosos:

Cardeal Richelieu
Grigori Rasputin

Atualmente, corre à boca pequena, que nosso líder também tem o seu pardo, o renomado, aclamado influencer, filósofo, analista, Dr. Ascânio Pereira.

Pronto! Falei.

Dr. Ascânio Pereira é um renomado psicanalista, mundialmente reconhecido nos meios acadêmicos e profissional como um terapeuta de técnicas sofisticadas. Formou-se em Psicologia Comportamental em um curso por correspondência. Diferentemente daquele analista que usa a técnica do joelhaço, Dr. Ascânio é mais sutil, ele trabalha o inconsciente e o subconsciente de seus pacientes dependendo do caso a ser tratado.

Frequentemente usa a hipnose para despertar potencialidades latentes, que ficam adormecidas por anos em seus pacientes. A comunicação subliminar também tem se mostrado muito eficaz no tratamento das perturbações que os afetam.

Dr. Ascânio tem clara preferência por tratar os pacientes através de intervenções no subconsciente, meio que o tornou famoso por conta de suas técnicas inovadoras que lhe renderam inúmeros prêmios acadêmicos e o definitivo reconhecimento de sua inigualável capacidade profissional.

Chegou inclusive a recusar o prêmio Nobel do pensamento alternativo por pura modéstia e humildade.

No entanto, houve um momento em sua carreira que ele foi atacado violentamente pelos mandatários do país que viam em suas posições ameaça real e imediata ao projeto do partido. Desprezado por uns e outros em seu próprio país, magoado pela rejeição sofrida, não viu outra solução a não ser deixar sua pátria tão amada e buscar abrigo em outras bandas. Foi para o Broncomenistão onde pediu asilo intelectual. É que no Broncomen…, eita nomezinho complicado, o asilo intelectual é concedido como praxe do país.

O problema no início foi que Dr. Ascânio não entendia patavina do idioma broncomenistanês e até fome chegou a passar. Mas logo se adaptou. Hoje é reconhecido pela comunidade de lá que de acordo com os últimos dados do censo soma uma população de 356 habitantes. A Constituição, dicionário, gramática e acervo literário broncomenistanês está contida em um livro, tipo brochura, com 19 páginas, incluindo o índice e referências bibliográficas, o que diz muito sobre como as coisas por lá são concisas.

Hoje, Dr. Ascânio mantém uma rotina de atividades que inclui aulas de filosofia na Universidade Alternativa do Broncomenistão, simpósios sobre suas teses de terapia alternativa e sessões de terapia privadas com hora marcada.

Seus horários de atendimento são disputados à tapa e a marcação de sessões tem fila de espera para mais de 8 dias corridos. Sim, porque em casos graves Dr. Ascânio atende em fins de semana e feriados.

Mas não vamos nos estender por mais tempo e vamos logo entrar no tema desse relato. Dr. Ascânio tem três clientes que lhe são muito caros, coisa que ele traz de seus tempos em seu país natal. São os Sobrinhos do Capitão, Hans, Fritz e Udacir.

Ele guarda o maior carinho por eles pois na participação deles vê que algo de bom irá florescer em seu país natal. Especialmente no caso de Hans e Fritz que ele entende como sendo mais promissores. Udacir, bem, esse é um caso mais complicado, requer mais estudo e experimentos não convencionais, talvez choque elétrico para ver se pega no tranco.

Fritz é o que está com o tratamento mais avançado e praticamente pronto para ser lançado com protagonismo no cenário que realmente importa que é o de construir um país moderno. Hans também está em fase adiantada, só que ele ainda se atrapalha com algumas ideias e conceitos, precisa de um ajuste fino.

Como parte do planejamento dos rapazes chegou a hora da sessão trimestral de terapia. Na hora marcada Hans e Fritz já se encontram na sala de espera aguardando enquanto a secretária Susete localiza as fichas de atendimento deles. O ambiente é espartano, apenas um vaso no canto com um cacto que teima em não dar flores. Quase inaudível, mas ainda assim consegue-se perceber o suave som subliminar (não por acaso, uma das técnicas usadas pelo Dr. Ascânio) da marchinha de Dom & Ravel, uma das preferidas do Dr. Ascânio.

Agora preste muita atenção. Você deve tomar cuidado. Tire as crianças da sala pois você irá presenciar uma sessão de terapia em que o Dr. Ascânio vai fazer uso de uma de suas técnicas preferidas, a hipnose. Você verá cenas fortes e a não ser que você tenha uma boa estrutura psíquica, é melhor nem prosseguir na leitura.

No fundo da sala há um pequeno oratório com um retrato de Joseph Maccarthy na parede. Quando o Dr. Ascânio se sente deprimido e solitário é nesse pequeno altar que ele dedica suas preces e roga ao velho Joe por iluminação.

Joseph MacCarthy

O primeiro a ser atendido é Fritz. Entra com a cabeça baixa, olhos esbugalhados, murmurando algo:  

Ódio, ódio, ódio…, tenho muito ódio.

Dr. Ascânio vendo que seu tratamento está mostrando os resultados esperados pergunta:

Já tomou a medicação hoje?

Ódio, ódio, ódio.

Ok, então toma aqui esse Gardenal e deite-se no divã. Vou hipnotizá-lo com minha voz suave e calmante e você acordará quando eu lhe der um beliscão. Ouça-me e relaxe enquanto vou fazer você revelar os mais profundos segredos de sua mente, o que ainda restou de angústias e frustrações em seu íntimo. Você irá me contar tudo que passa dentro de sua cabeça. Agora me diga, o que se passa dentro de sua cabeça.

Ódio, ódio, ódio, mil vezes ódio.

Certo, e o que mais?

Mais ódio, muito ódio. Quero acabar com os comunistas e os ateus e os gays e os que não rezam pela nossa cartilha e todos os outros. Ai! Que ódio!

Nesse ponto Dr. Ascânio aplica o prometido beliscão e Fritz acorda.

E aí doutor estou curado?

Sim meu filho, vejo que o tratamento deu certo, você conseguiu por para fora todos os problemas e considero você pronto para o trabalho de campo. Agora você deve ir e cumprir a sua missão que é difundir os nossos princípios. Vá!

Susette! O próximo!

O doutor atende Hans, e este se apresenta chapadão, sem as mínimas condições de receber o tratamento, só falava em fazer uma láive, comprar uma caneta porque ele também quer mandar, pediu a embaixada do broncomenistão, qualquer coisa , eu quero, eu quero, EU QUEROOOO!!!!

Dr. Ascânio aplicou-lhe um lexotan para que ele e o irmão conseguissem partir de volta para seu país sem maiores sobressaltos.

Os dois pacientes já estão aguardando o transporte para ir embora e o Dr. Ascânio lembra de algo. Interfona a secretária e recomenda:

Susete! Avise que quando eles desembarcarem no destino já podem retirar as camisas de força.